A jovem Denisova contou sobre as atrocidades que sofreu do exército russo | TVFORTALEZA.com.br The Mobile Television Network

Estuprada e torturada: Denisova contou sobre as atrocidades do exército russo na região de Kharkiv   Após a libertação de cidades e aldeias ucranianas da ocupação russa, há cada vez mais fatos de crimes de guerra .   A Comissária para os Direitos Human...

ucrânia, estupro, tortura, holocausto, rússia, políticas, internacional, guerra, nuclear, bombas, kiev, territórios, míssil, foguetes

A jovem Denisova contou sobre as atrocidades que sofreu do exército russo

Publicado por: Redação
05/04/2022 09:10:52
Foto: motorização / Depositphotos
Foto: motorização / Depositphotos

Estuprada e torturada: Denisova contou sobre as atrocidades do exército russo na região de Kharkiv

 

Após a libertação de cidades e aldeias ucranianas da ocupação russa, há cada vez mais fatos de crimes de guerra .

 

A Comissária para os Direitos Humanos da Verkhovna Rada Lyudmila Denisova falou sobre os terríveis fatos da violência sexual na região de Kharkiv.

 

Por mais de uma semana, o militar russo estuprou uma garota de 29 anos que cuidava de sua mãe doente, que estava acamada.

 

Ela e sua mãe foram de fato feitas reféns, e o ocupante quebrou seu telefone para que ela não pudesse chamar a polícia e pedir ajuda.


“A mulher conseguiu escapar e agora está em reabilitação
 ”, diz Denisova. Após uma semana de bullying, o russo se ofereceu para "evacuar a mulher para um lugar seguro" e falou sobre "amor", mas quando ela recusou, atirou na mãe na frente dela.

 

Outro caso ocorreu na aldeia de Mala Rohan, perto de Kharkiv. Lá, os militares russos  estupraram várias mulheres por diversas vezes enquanto seguravam uma arma perto da cabeça dessas pessoas, uma delas uma mulher de 31 anos. Ela se escondeu em uma escola local com sua filha de 5 anos, mãe, irmã, irmão e outros moradores da vila.

 

"Segurando uma arma perto de sua cabeça, o russo cometeu repetidamente violência sexual contra uma outra mulher que, segundo ele ( o soldado) , o lembrava de uma garota com quem ele foi para a escola. Um outro militante russo cortou o pescoço e a bochecha de outra mulher com uma faca, cortou seu cabelo e a atingiu no rosto com um livro ", disse Denisova.

 

A mulher recebeu a assistência necessária somente depois que a aldeia foi libertada dos militares russos.

 

Denisova lembrou que a violência sexual é um dos crimes de guerra, expressamente proibido pelo artigo 27 da Convenção de Genebra.

 

"Apelo à Comissão da ONU para investigar violações de direitos humanos durante a invasão militar da Ucrânia pela Rússia e à missão de especialistas criada pelos Estados participantes da OSCE sob o Mecanismo de Moscou para levar em conta esses crimes de guerra e violações de direitos humanos na Ucrânia ", disse ela.

 

Recorde-se que a Ucrânia desenvolveu uma instrução para vítimas de violência sexual, com a qual é possível transferir os factos de crimes de guerra para o Tribunal Penal Internacional de Haia.

 

Por Mykhailo Zagorodniyjornalista da UP.Zhyttya / Pravda.com.ua

Editado por Mike Nelson

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar